Poesia rasgada

Eu rasguei uma poesia que iria entregar,

No papel dobrado em letras fortes,

Na escrita nem precisei exagerar,

Julgava ter sorte por ela encontrar.

Fui passado pra trás, não era amor,

Meu coração perfurava de tanta dor,

Estava só mais uma vez,

Talvez eu precisava passar por isso,

Levantei da cama em puro ódio,

Pra destruir a minha poesia,

Era na noite, então pus no fogo,

Em brasa viva, farta dor,

Apreciava a chama que subia.

E na mentira eu me escondia,

Preguei a máscara em meu rosto,

E só tirava quando escrevia.

Quem me causou dor nem lembro mais,

Só lembro da poesia,

Ela sim era de verdade, puríssima sinceridade

Que em fogo sucumbia.

eu não queria amar alguém de

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: